Sobre o autor

Miguel Macedo
Miguel Macedo
Pai

Pai-galinha (em brasileiro: pai-coruja) da Mafalda. Uma menina linda com três anos e meio e diagnosticada aos dois anos com uma doença metabólica rara.

Membro da Associação Portuguesa de Fenilcetonúria e outras doenças metabólicas (Apofen), e em contato direto com várias associações de doenças metabólicas europeias assim como a Orphan-Europe e o projeto Europeu E-IMD.

Não pretendo ter uma função pedagógica, deixo essa parte para os profissionais muito mais habilitados do que eu. Quero apenas mostrar-vos que, se um néscio como eu consegue aprender todos os dias a ser um ‘bom’ pai, vocês conseguirão fazer um trabalho ainda melhor!...

Artigos deste autor

  • Quanto custa a segurança?…

    Há dias a minha mãe pediu-me para a ajudar a escolher uma cadeirinha de carro para um sobrinho. Por ‘ajudar’ podem entender: eu fui a várias lojas escolher, carregar e... Ler mais
  • Massa folhada e toalhas de renda

    Agora temos um bebê! Perdemos a vergonha de nos comportarmos como crianças em público. É fantástico! É como ter uma licença para ser pateta! Fazemos caretas na fila do... Ler mais
  • Fruta da época

    Chegou o Outono. Os pássaros migram para Sul, as folhas vestem-se de dourados e vermelhos e o cheiro de castanhas assadas enche o ar... Tudo acompanhado por uma linda sinfonia de... Ler mais
  • Porque é que não gostamos do Natal?

    Texto de opinião   A época de Natal começa atualmente no dia 2 de Novembro, quando já passou o... Ler mais
  • Vidinha de “cocô”

    O bebê nasceu! É a coisa mais bonita deste mundo! Pequenino, enrugadinho, mesmo as roupinhas mais pequeninas que compramos ficam grandes. A esforçar-se por abrir os olhos e... Ler mais
  • Quando é que nos tornamos pais?

    Durante muito tempo não quis ser pai. Quando me questionavam sobre o assunto respondia com as frases feitas de costume, sobre ainda não ser o tempo certo, o apartamento ser pequeno,... Ler mais
  • O ataque dos shoppings

    Aqui em Portugal chegou o Outono, as castanhas, os dias mais curtos, as chuvas e a publicidade aos brinquedos para o Natal 25 horas por dia. Não estou exagerando. Tenho a televisão... Ler mais