Parto domiciliar

O parto domiciliar, ou parto realizado em casa, frequentemente é tido como uma opção por mulheres que desejam vivenciar o nascimento do seu bebê de uma maneira mais natural, com maior autonomia e humanização, apesar de não ser uma prática recomendada pelo Conselho Federal de Medicina do Brasil.

Segundo o Conselho Federal de Medicina do Brasil o parto deve ser realizado em ambiente hospitalar, com infraestruturas adequadas e com boas condições de higiene, e acompanhado por uma equipe de profissionais de saúde capacitados.

No caso da opção de parto domiciliar, as premissas acima referidas também devem ser cumpridas: o parto deve ser realizado em um local com infraestruturas adequadas e com boas condições de higiene. É necessária a presença de um médico, enfermeira ou parteira com experiência neste tipo de prática. Em geral a mulher é assistida por uma equipe composta por doulas e parteiras que levam para o local, onde vai ser o parto, os equipamentos necessários para a realização do mesmo.

É muito importante que se tenha um “plano de emergência”, para que mãe e filho possam ser encaminhados rapidamente e em segurança para o hospital mais próximo em caso de complicações.

Os principais benefícios de um parto em casa, estão relacionados com:

  • Maior vínculo da mãe e filho
  • Redução de analgesia de parto
  • Menor número de episiotomia e partos instrumentais
  • Maior sensação de manter o controle durante o trabalho de parto por parte da parturiente
  • Maior chance de ter um parto vaginal espontâneo
  • Facilita o início do aleitamento materno
  • Maior “humanização” do nascimento

Por outro lado, o parto fora do ambiente hospitalar pode ter maiores riscos à saúde materna e da criança, nomeadamente distócias (dificuldades encontradas na evolução do parto), tais como a não execução de determinados movimentos pelo feto durante seu nascimento, e problemas que comprometem a saúde da mulher (toxemia, hemorragias e infeções).

Em situações de complicações e emergências, o parto em casa dificulta a rápida intervenção e procedimentos médicos que podem ser importantes para salvar a mãe e o bebê. Existem evidências científicas de que o risco de óbito fetal e neonatal é menor se o nascimento for assistido por uma equipe médica em ambiente hospitalar.

Fica claro que o parto domiciliar tem contra indicações, e só deve ser uma opção se cumprir as seguintes condições:

  • a gestante está ciente dos riscos,
  • a gestação foi muito bem acompanhada pelo pré-natal
  • não apresentou qualquer complicação durante a gravidez,
  • existe a disponibilidade de um profissional de saúde habilitado e certificado para realizá-lo,
  • existe a possibilidade de pronto acesso ao transporte seguro e oportuno para hospitais próximos com infraestrutura para atender este tipo de demanda.
Publicado em 21 de janeiro de 2013 / Atualizado em 21 de março de 2013

Rodrigues, B. Parto Humanizado. Retrieved from: Guiadobebe.uol.com.br

Largura, M. Parto Humanizado. Retrieved from: Partohumanizado.com.br

Hanani. Parto domiciliar. Retrieved from: Partodomiciliar.com

Rodrigues, N. (2012) Segurança: CFM recomenda parto em ambiente hospitalar. Retrieved from: Crmmg.org.br