Quero engravidar?

Texto de opinião

 

Quero engravidar?

Começo a escrever com esta ideia na cabeça que agora não me larga.

Há uns dias surgiu-me esta questão, penso que pela primeira vez pensei neste tema de forma tão séria e pessoal. Claro que já pensei sobre isso em dezenas de situações, mas não deste modo. Não assim. E porquê?

Fui a uma consulta de ginecologia (de rotina?), com uma médica fantástica, colega numa clínica onde trabalho, sabendo que o momento ia chegar… aquele preciso momento em que subtil e quase sub-repticiamente a pergunta se coloca: para quando ser mãe?

Será que está chegando o momento, será por isso que penso no assunto e sorrio interiormente?

Não sou a típica mulher de 36 anos, casada e provavelmente com um ou dois filhos que a família um dia pode ter pensado. Digo um dia, porque cedo foram percebendo que esse dia estaria ainda longe… assim foi acontecendo. Sem data marcada na agenda para viver e ser feliz!

E a verdade tem sido essa, cada momento foi bem saboreado, ao meu gosto, nunca sabendo ao certo que vontade teria no dia ou no mês seguinte. Apenas soube que queria estudar sempre mais e ir caminhando gradualmente num sentido ascendente que me levasse mais alto. Esse caminho está a ser construído… e agora? Quero mais! Tenho o amor que me dá esse desejo de um amor ainda maior, o de ser mãe. E agora quero esse “mais”. Queremos.

Voltemos então à consulta, que rapidamente passou para “pré-concepção”. Este é o momento em que a mulher inicia o processo de planejamento para engravidar. As mulheres devem, sempre que for possível, programar os primeiros passos e cuidados a ter antes de engravidar. Há várias análises e exames clínicos a ter em conta, para obter informação sobre o estado global da sua saúde e quais as atitudes  tomar nos próximos meses. Com certeza todas já ouviram falar em termos como  toxoplasmose, ácido fólico, colesterol, hepatite, exames citológicos, ecografias, etc, etc. Olhei para a minha ficha de pedido de análises e exames e pensei, “Bolas! Nunca fiz tantos exames em toda a vida! “ Eu, que convivo diariamente com vários médicos e detesto ser paciente! Ao mesmo tempo senti-me segura por estar  fazendo o que me parece mais correto – planejar e prever a gravidez a tempo e com tranquilidade.

Vamos fazê-lo nos próximos seis meses e depois veremos o que o futuro nos reserva.

Aconselho a todas as mulheres ou casais que estejam neste momento, tal como nós, a sentir uma vontade crescente em gerar um bebê, que ganha novas proporções a cada dia que passa, a comunicarem, a organizarem-se para esta etapa. Surgem as consultas e as despesas, as ansiedades e os medos… Faz parte. E depois deixem a natureza seguir o seu caminho e se for necessário, recorram a especialistas. Eles podem ajudar a criar circunstâncias para que o nosso desejo seja concretizado!

Este deve ser um sentimento partilhado pelos futuros pais, pois o filho será de ambos e sem restrições para toda a vida. Não há separações no que toca aos filhos. Não deve haver.

Ser mãe ou pai traduz-se em responsabilidade e amor incondicional para sempre; lembrem-se que é muito tempo! Pensem bem nisso quando sentirem que poderá ter chegado o momento de trazer um novo ser maravilhoso e indefeso ao mundo.

A vida pode ser diferente todos os dias, a única constância é SER pai ou mãe. Isso não muda! E por eles e para eles temos que ter tempo, dedicação e amor. E regras também. E uma enormíssima capacidade de entrega e amor.

Faço a questão a mim própria: perante o exposto, quero ser mãe?

Sim, quero engravidar!

Publicado em 13 de dezembro de 2012 / Atualizado em 24 de maio de 2013

Veja o que a nossa comunidade está dizendo sobre este tema e comente! Comentar