Perda do líquido amniótico ou redução do volume

Durante a gravidez o bebê está protegido dentro de uma bolsa (placenta) com líquido (o líquido amniótico). O líquido amniótico envolve o bebê durante todo o seu desenvolvimento, dentro do saco amniótico, também conhecido como bolsa das águas. Ele serve para:

  • amortecer choques e movimentos bruscos;
  • impedir que o cordão umbilical seja comprimido, o que prejudicaria o fornecimento de oxigênio para o bebê;
  • manter uma temperatura constante dentro do útero;
  • proteger o bebê contra infecções;
  • permitir que o bebê se movimente, desenvolvendo os músculos e os ossos;
  • ajudar na formação do sistema digestivo e respiratório, já que o bebê “inspira” e “expira” o líquido, e o engole, eliminando-o na forma de urina.

O volume de líquido amniótico vai aumentando com o decorrer da gravidez e costuma chegar à sua quantidade máxima por volta de 34 a 36 semanas de gravidez.

Nessa altura, você tem entre 800 ml e 1 litro de líquido dentro do útero. Depois disso, o volume vai diminuindo aos poucos, até o bebê nascer. Naturalmente a placenta rompe no nascimento do bebê e é por isso que se perde o líquido.

Para medir a quantidade de líquido, é preciso fazer um ultrassom. Seu médico vai solicitar um se desconfiar de que a quantidade de líquido está abaixo da ideal (oligohidrâmnio).

Veja alguns sinais de que isso pode estar ocorrendo:

  • quando a mulher está perdendo líquido amniótico pela vagina - pode ser sinal de ruptura da bolsa, e deve sempre ser comunicada ao médico;
  • quando o bebê está menor que o normal para a idade gestacional;
  • quando o médico consegue apalpar fácil o bebê pelo lado de fora da barriga;
  • quando a mulher não está sentindo o bebê mexer com frequência;
  • quando a mulher já teve outro filho que nasceu pequeno para a idade gestacional;
  • quando a mulher tem pressão alta;
  • quando a mulher está com diabetes;
  • quando a mulher sofre de lúpus.

Com a ultrassonografia, dá para medir os bolsões de líquido em vários pontos do útero (o espaço entre o bebê e a parede uterina). O especialista faz um cálculo que resulta no índice de líquido amniótico (ILA).

As consequências para o bebê dependem da causa da redução no líquido e se a quantidade está mesmo muito pequena.

Na maioria dos casos, o oligohidrâmnio é diagnosticado no terceiro trimestre e não exige nenhuma providência, só um acompanhamento um pouco mais atento da gravidez.

A maior preocupação quando há redução no volume de líquido antes do terceiro trimestre é que o crescimento dos pulmões do bebê seja prejudicado. Por isso, é provável que você seja submetida a ultrassonografias com mais frequência para acompanhar o desenvolvimento do seu filho.

A possibilidade de parto prematuro é outra preocupação.

Pode ser, porém, que os médicos decidam que o bebê vai se desenvolver melhor fora do útero do que dentro e resolvam antecipar o parto.

É comum que, em casos de falta de líquido amniótico, o bebê esteja sentado pois o líquido é que facilitaria a movimentação dentro do útero e o posicionamento de cabeça para baixo.

Nem sempre a causa do oligohidrâmnio é conhecida.

A diminuição do volume das águas é mais observada nos meses de clima quente, por isso os especialistas acreditam que ela tenha relação com a desidratação materna. Dessa maneira, seu médico vai recomendar que você tome muito líquido. Repouso e banhos de imersão também costumam ser recomendados pelos obstetras.

Existem outras causas específicas para a redução no líquido, e cada uma tem seu próprio tratamento. As mais comuns são:

  • Ruptura parcial da bolsa – a ruptura antes do início do trabalho de parto é considerada a ruptura precoce das membranas e deve ser comunicada ao médico.
  • Pequena abertura na bolsa, o líquido pode escapar – além do oligohidrânio, o maior perigo dessa ruptura parcial da bolsa é a entrada de bactérias, que podem provocar uma infecção. Seu médico deverá estar mais atento para qualquer sinal de infecção.
  • Problemas na placenta – pode ser que a placenta não esteja produzindo sangue e nutrientes em quantidade adequada para o desenvolvimento do bebê. Quando os bebês são pequenos, produzem menor quantidade de urina, por isso os níveis de líquido amniótico ficam baixos.
  • Anomalias no bebê – quando o líquido fica abaixo do normal ainda no primeiro ou no segundo trimestre, pode ser que haja alguma malformação interferindo na produção de urina pelo bebê. O médico deve pedir um ultrassom detalhado para verificar o desenvolvimento dos rins do bebê e do trato urinário, além do coração.
  • Síndrome da transfusão feto fetal – quando a mulher está grávida de gêmeos idênticos e cada um tem sua própria bolsa, há entre 10 e 15 % de possibilidade de eles terem a síndrome da transfusão feto fetal (um bebê recebe mais sangue e nutrientes da placenta que o outro). Nesses casos, o gêmeo “doador” acaba ficando com menos líquido amniótico, enquanto o “receptor” fica com líquido em excesso.

Se você estiver grávida de gêmeos, terá que fazer ultrassonografias com frequência para acompanhar os níveis de líquido amniótico e o desenvolvimento de cada bebê.

Se a ruptura da bolsa for precoce (antes do trabalho de parto) o médico vai fazer uma avaliação rigorosa da situação. Dependendo do seu estado de saúde e idade gestacional e do estado de saúde de seu bebê, ele pode optar induzir o parto, fazer uma cesareana, dar antibióticos para prevenir ou tratar infecções ou vigiar a evolução de maneira conservadora:

  • A perda de líquido pela vagina antes das 37 semanas de gravidez significa que sua bolsa estourou antes do tempo. O médico pode preferir que você seja internada, para evitar uma infecção.
  • Se o líquido começar a sair depois das 37 semanas, você deve estar prestes a entrar em trabalho de parto, por isso deve ligar para o médico ou para a maternidade para saber quando ir para lá.
Publicado em 1 de outubro de 2012 / Atualizado em 24 de maio de 2013

J Resende - Manual de Obstetrícia, 1991 - Guanabara Koogan Rio de Janeiro

Ministério da Saúde. Gestação de Alto Risco Manual Técnico. 2010.

Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais. Atenção ao Pré-Natal, Parto e Puerpério. 2006.

Veja o que a nossa comunidade está dizendo sobre este tema e comente! Comentar